Fuck the Fucking Fuckers – Muita Cachaça e Pouca Oração

Eae galera, sejam bem vindos ao CAFÉ AMPLIFICADO, eu sou o Furukawa e nessa Quarta edição nós trazemos o novo album da banda Fuck the Fucking Fuckers (F3), lançado no dia 29 de Outubro de 2022.

Um adendo: não fiz a resenha na ordem das músicas do disco. Acho que existem músicas nesse discos que andam Juntas, e elas estão espalhadas na playlist, portanto eu resenhei na ordem que eu achei mais justa para com o disco.

Começamos com o pé na cara num estilo bem “Roots Radical” com a musica “O Alienado”, que na minha opinião mostra o quanto a F3 é o Rancid brasileiro. Letra foda, musica dançante, e com direito a Videoclipe no canal da banda. Nós reparamos na semelhança da banda com Rancid também na terceira faixa do disco, “Pouca Vida”, e no Ska na faixa 7 “Dilma Vez eu Vi Meu Povo Temer”, com participação do João Auresco no Trompete. A música é boa, mas encaro ela como a mais fraca do disco (NO ASPECTO TODO DO DISCO, nao significa que ela é ruim!). As duas são músicas pra se ouvir na praia bebendo uma gelada com os parças.

Depois temos “Pandemia”, a segunda faixa do disco, que joga a gente contra a parede e prova que ela Deve estar num Top 5 desse disco. Vale comentar agora também a faixa 6 chamada “Facada Fake”; senti uma pitada de Statues on Fire na intro e um pé na Cara quando entra o verso; Merece um lyric Video, porque você simplesmente nao entende o que o Alemão(guitarrista) berra de tao rapido que o verso está. O Breakdown também(com vocais do Marião do Revolta573) está Impecável. As duas são as Minhas Favoritas do disco.

Em “Terra de Ninguém”, a F3 mostra que também gostam de Heavy Metal, com uma musica que tem uma pegada leve de de Iron Maiden; até chegar ao Breakdown. Ai voltamos com a F3 que todos nós amamos e conhecemos.

Na faixa Título – “Muita Cachaça e Pouca Oração” – , a F3 engata a marcha 77 e traz aquele sentimento nostalgico de quando eu ouvia o “Parasitas e Monstros” sem parar, isso por volta de 2015, 2016.

Temos mais pra frente a faixa 8 “Um Brinde aos Amigos de Verdade”; ela começa de um jeito que você não dá nada pra música, mas ela vem trotando e quando pega velocidade você ja ta pogando sem parar.

Na reta final do disco, temos “Siga Seu Coração” e “Dicotomia”, sendo a primeira uma lembrança do Punk Rock Nacional dos anos 2000, com notas oitavadas, bermuda larga, Allstar e breja voando no palco. A letra é fantástica também, mas tenho que dar ênfase ao coro no refrão que é Muito contagiante, e a “Dicotomia” fecha o disco com um violão velho e uma letra tão daora quanto.

O disco ao todo é uma obra prima; tem seus hits, seus pontos (não tão) baixos e as suas levadas de Punk hardcore que levanta todo e qualquer tipo de defunto. Eu encaro esse disco como uma Continuação do segundo disco da banda chamado “Bolsa Farinha”, de 2018, tanto em peso quanto em Letras; afinal, agora você pode ouvir “Um Brinde aos Amigos de Verdade” e Logo depois ouvir “Último Gole”! Mas, mesmo o album sendo Muito bom, eu ainda prefiro o “Parasitas e Monstros” pela NOstalgia que eu sinto ao ouvi-lo no Aleatório, da primeira vez que eu conheci a banda e pela amizade que temos desde então.

TOP 5 MÚSICAS DO ALBUM(sem Ordem Específica):

  • Pandemia
  • Facada fake
  • Terra de Ninguém
  • Siga seu Coração
  • Um Brinde aos Amigos de Verdade

Menção Honrosa pra “O Alienado” que mesmo não estando no top 5, é uma baita música pra começar um disco.

Compartilhe

Notícias

Protestos 1, futebol 0

No segundo dia de jogos da Copa do Mundo, realizada no Catar, manifestações políticas estiveram presentes. Antes e até mesmo durante a partida entre Irã