Firebug (ST)

Comecinho dos anos 2000, a “febre” da terceira onda já havia esfriado na gringa e algumas daquelas bandas que tinham sido Influenciadas por essa geração ou tinham encerrado as atividades ou apostavam em outras sonoridades fossem elas mais pop ou de tendencias mais roqueiras mesmo, aqui no Brasil assim como na Europa e mesmo nas Américas uma galera que apostava em modernizar o aspecto mais tradicional da música Jamaicana se solidificava no Underground criando uma cena vibrante e altamente conectada, o Firebug surgiu em São Paulo mas com olhos e ouvidos ligados ao passado,presente e futuro da música Jamaicana feita ao redor do mundo, gravado nos estúdios El Rocha em São Paulo e lançado em 2003 pela Radiola Records o álbum de estréia auto intitulado do trio formado por Felipe Machado (voz/guitarra) , Rodrigo Cerqueira baterista com passagens anteriores no Skuba e na banda Easy Big Fella de Seattle e no baixo além de teclados , guitarras e algumas partes de percussão além da produção a cargo do Novaiorquino/paulistano Victor Rice que dispensa maiores apresentações, o Ska, reggae e Rocksteady permeiam o trabalho que também tem espaço pro Dub nas versões das canções que chegam ao fonal do disco como bônus, um trabalho com 12 canções em inglês e 4 versões de algumas delas em português, um trabalho que ajudou a criar um cenário no país ligado ao Ska mãos tradicional no entendimento que na época tive de uma banda de SKA tradicional acabar flertando com as demais formas de música feitas na Jamaica, grande disco como destaques sons como “Commercialized Men” , “The Toughest Way” e “Pepperspray” mas quem por acaso ainda não ouviu só coloca pra rolar que a satisfação é garantida!

#Firebug #FelipeMachado #Maxado #VictorRice #RodrigoCerqueira #RadiolaRecords #Ska #Rocksteady #Reggae #Dub #ElRocha #Skardapio

Compartilhe

Notícias

Fun For Freaks – Fun For Freaks

Eae galera, sejam bem vindos ao CAFÉ AMPLIFICADO, eu sou o Furukawa e nessa edição de numero 14 nós trazemos o primeiro trampo Full da

Notícias

Até quando nós vamos suportar?

Na última segunda-feira, dia 1, celebramos novamente o 1º de Maio, o Dia do Trabalhador. Mas se analisarmos bem, todo dia é nosso dia e