Adeus, Pelé!

Pouco mais de dois anos após a morte de dom Diego Armando Maradona, nestes últimos momentos de 2022, perdemos Pelé, o Rei do Futebol. O homem de mais de mil gols anotados em uma carreira genial… e isso não é dito somente por quem torce pelo Santos Futebol Clube, mas o mundo do futebol assim o trata.

Para os que criticam posturas de Pelé fora dos gramados, deixo as críticas para Edson Arantes do Nascimento, um ser mortal como qualquer um de nós, capaz de qualquer erro como todo ser humano, afinal, somos todos falhos. Se não concordar com o texto, é um direito seu. Mas aqui vamos exaltar a genialidade de Pelé, era ele que adentrava os gramados e destruía as defesas adversárias e qualquer esquema para tentar segurá-lo.

Pelé conquistou cinco mundiais, sendo três pela seleção brasileira e dois pelo Santos. Pelé atingiu a marca de mil gols antes dos 30 anos. É o maior artilheiro do Santos com 1.091 gols. Mas Pepe, o segundo artilheiro da história do clube, diz que ele é o principal, pois Pelé não seria desse planeta. Pepe pode falar com tranquilidade sobre isso, afinal, por muitos anos jogou ao lado do rei.

Zito, ex-capitão do Santos, era o líder do esquadrão alvinegro que assombrou o mundo entre o final da década de 1950 e 1960. Segundo o saudoso capitão, o mundo teria visto resquícios de Pelé. Ele viu Pelé jogar pois estava sempre próximo a ele dentro dos gramados e então teve uma visão privilegiada de toda genialidade desfilada pelos estádios mundo afora.

Pelé, o atleta do século XX, o homem de 3 Corações (sua cidade Natal), o rei, nos deixou. Ele e o Santos pararam uma guerra, mesmo que temporariamente, desfilaram o melhor que o futebol pode apresentar pelos gramados dos cinco continentes. Pelé fez até mesmo jovens ingleses ficarem deslumbrados com seu futebol durante a Copa de 1970. Nick Hornby relata sobre o rei em trecho de seu ótimo livro “Febre de Bola”.

Pelé se vai, quem sabe encontre o dom Diego em algum lugar, para continuarem aquela sequência de toques de cabeça que uma vez apresentaram em um programa de TV no qual Maradona era o apresentador. Mas, como talvez a vida após a morte seja apenas uma ilusão, ficaremos com as cenas do que fomos apenas capazes de ver por meio das imagens de arquivo.

Abençoados sejam aqueles que tiveram o privilégio de terem visto o rei em campo e ainda estão entre nós para relatarem o que seus olhos foram capazes de contemplar. Hoje o futebol está em luto e assim ficará, provavelmente para sempre, pois esse rei não tem como ser substituído. Adeus, Pelé!

Ivan Gomes, 44, é produtor e apresentador do programa 3 Notas e torcedor do Santos Futebol Clube

Compartilhe

Notícias

Sem anistia!

Passou e passou muito da hora de acertarmos as contas com o fantasma de nosso passado, que volta e meia sempre nos atormenta. Mas creio

Notícias

Adeus, Pelé!

Pouco mais de dois anos após a morte de dom Diego Armando Maradona, nestes últimos momentos de 2022, perdemos Pelé, o Rei do Futebol. O